Mother!

MÃE! | Trailer (2017) Dublado HD

A relação de um casal é colocada à prova quando convidados inesperados chegam à sua casa, interrompendo a sua existência tranquila.

Mother! (bra: Mãe!) é um filme estadunidense de terror psicológico e suspense, escrito e dirigido por Darren Aronofsky. É estrelado por Jennifer Lawrence, Javier Bardem, Michelle Pfeiffer e Ed Harris. O longa foi selecionado para competir ao Leão de Ouro no Festival Internacional de Cinema de Veneza, sendo lançado nos Estados Unidos em 15 de setembro de 2017, pela Paramount Pictures, e no dia 21 do mesmo mês no Brasil e em Portugal. A trama segue uma jovem cuja vida tranquila com o marido em sua casa de campo é interrompida pela chegada de um casal misterioso.

O filme foi geralmente bem recebido pelos críticos de cinema, mas não agradou parte do público. Apesar da recepção positiva, suas alegorias bíblicas e a representação da violência provocaram algumas controvérsias, com Kyle Smith, do National Review, chamando-o de “uma versão bíblica de pornô de tortura”.

Informações Gerais

Mother!

No Brasil: Mãe!
Estados Unidos: 2017
Duração: 115 min
Direção: Darren Aronofsky
Produção: Darren Aronofsky
Scott Franklin
Ari Handel
Roteiro: Darren Aronofsky
Elenco: Jennifer Lawrence
Javier Bardem
Michelle Pfeiffer
Ed Harris
Gênero: suspense
Música: Jóhann Jóhannsson
Cinematografia: Matthew Libatique
Edição: Andrew Weisblum
Companhia(s) produtora(s): Paramount Pictures
Protozoa Pictures
Distribuição: Paramount Pictures
Idioma: inglês
Orçamento: US$ 30 milhões[1]
Receita: US$ 44,516,999

Sinopse

  • Nota: os personagens deste filme não têm nome e são referidos por descritores. O filme começa com uma mulher em meio a chamas crepitantes. Sua carne queima até ficar crocante quando gritos são ouvidos ao fundo. Vemos então um homem, “Ele” (Javier Bardem), colocar um objeto de cristal em seu quarto. A casa então muda de queimada e degradada para completamente remodelada. Uma jovem, “Mãe” (Jennifer Lawrence), materializa-se em sua cama e, vendo sua ausência, clama por Ele: “Bebê?” Ele não responde. Mamãe caminha pela casa que parece completamente vazia e quando ela sai para a varanda para olhar para ele, ele surge por trás e a assusta, abraçando-a. Ele é um poeta notável que sofre de bloqueio de escritor após a perda de sua primeira esposa. Mamãe está tentando pintar um dos cômodos da casa com cores diferentes. Ela caminha em direção à parede e tem a visão de um coração batendo dentro das paredes.  Alguém bate na porta do casal. Ele acolhe o estranho, “Man” (Ed Harris), em sua casa. Ele é educado com o Homem, mas a Mãe não se sente muito confortável com a sua presença. O homem foi encaminhado para a casa com a impressão de que era uma espécie de pousada. Ele mostra ao homem seu ofício com suas obras escritas, e o homem admite ser um fã de sua obra. Ele passa a maior parte do tempo conversando com o Homem, dizendo à mãe que é bom ter alguém para conversar que goste do trabalho dele, apesar da mãe dizer que também ama o trabalho dele. Mesmo assim, ela permite que o Homem fique. No entanto, o homem tem acessos violentos de tosse que Ele costuma ter. Mãe mais tarde vê o Homem vomitando no banheiro com Ele de pé sobre o Homem. A mãe percebe que falta um pedaço de carne nas costelas do homem, mas Ele o cobre com a mão.

mãe (2017) – Cena Inicial Dublado [HD] – Filme

  • No dia seguinte, a mãe pergunta a ele como está o homem. O homem desce as escadas e diz que se sente bem. Momentos depois, outra batida é ouvida na porta. A mãe atende e encontra a esposa do homem, “Mulher” (Michelle Pfeiffer), na frente. Ele também a acolhe em casa. Ele e o homem vão dar uma caminhada enquanto a mãe fica sozinha com a mulher. Ela incomoda a mãe com perguntas sobre se ela e Ele querem ou não filhos, bem como a curiosidade da Mulher em ir ao escritório dele, mas a mãe diz que ninguém pode entrar sem a permissão dele. Após seu retorno, o homem tem outro acesso de tosse. Ele explica para a mãe que o homem está morrendo, e ele e sua esposa são grandes fãs dele, então eles queriam conhecê-lo antes que fosse tarde demais. O homem e a mulher entram no escritório dele e acidentalmente quebram o objeto de cristal. Ele fica arrasado, mandando-os sair do escritório. Ele segura os pedaços quebrados em suas mãos, segurando-os até sangrar. A mãe ordena que o homem e a mulher saiam, mas, em vez disso, vão para outra sala para ficarem íntimos. Depois de um tempo, o Homem e a Mulher ainda não foram embora até que Ele e a Mãe concordem que devem partir. Enquanto Homem e Mulher estão se preparando para sair, seus filhos (Domhnall e Brian Gleeson) chegam, discutindo sobre o estado do testamento de seu pai. O filho mais velho está com raiva de receber menos do que seu irmão. O confronto se torna violento quando o Filho mais velho ataca seu irmão antes de separá-los. Eles correm para o quarto onde o filho mais velho golpeia seu irmão na cabeça, fazendo seu crânio se abrir e sangrar. Ele pega o irmão mais novo e o carrega para o hospital, seguido por Homem e Mulher. A mãe limpa o sangue do chão, mas uma mancha no chão não sai. Ela pressiona contra ele e começa a vazar sangue para o porão. Mamãe desce as escadas e vê sangue vazando em uma lâmpada até que se estilhaça. O sangue borrifado se forma ao redor da parede. Mãe irrompe e vê um tanque de óleo de fornalha. O filho mais velho aparece atrás dela, tendo se escondido. Ele simplesmente pega algo seu e sai de casa sem dizer uma palavra. Quando os outros voltam, ele diz à mãe que o irmão mais novo está morto. Um velório é feito para ele na casa, com outros estranhos chegando para prestar suas homenagens. A mãe fica cada vez mais agitada com o comportamento dos convidados. Ela discute com ele sobre sua permanência até que comecem a ter sexo apaixonado.De manhã, a mãe diz a ele que sente que está grávida. Exultante, ele é inspirado a começar a escrever novamente. Ele completa seu trabalho e o envia, chamando a atenção do The Herald (Kristen Wiig).

Cenas do filme a mãe

  • Algum tempo depois, mamãe está chegando ao fim da gravidez. Enquanto ela prepara o jantar para celebrar as obras escritas Dele, fãs Dele começam a aparecer em casa. Uma mulher entra com seu filho que fez xixi nas calças. Mamãe vai ao banheiro e vê um homem urinando na pia. Logo, uma horda de fãs começa a caminhar até a casa, incluindo o The Herald, que quer falar com a mãe. A presença crescente deles começa a afetar mamãe, que passa por uma dor que faz a casa tremer. Apesar de Mãe tentar se esconder da multidão, os fãs começam a quebrar as coisas e roubar coisas da casa. Conforme ela se move para salas diferentes, as pessoas começam a agir violentamente umas com as outras. Algumas pessoas estão amarradas e com bolsas na cabeça. O Arauto anda por aí casualmente, atirando na cabeça deles antes de falar calmamente com a mãe. Uma explosão massiva atravessa a sala, matando The Herald. Uma equipe da SWAT entrou na casa, lutando contra a multidão cada vez mais maníaca de fãs. Rapidamente fica claro que os fãs fazem parte de um culto pagão. Mãe começa a entrar em trabalho de parto. Ele a leva ao seu escritório, onde ela dá à luz um menino. Ele quer segurar o filho, mas a mãe se recusa a deixá-lo ir. Ela exige que Ele mande os fãs embora. A mãe fica o dia inteiro sentada no escritório segurando o filho até ela adormecer. Quando ela acorda, seu bebê se foi. Ele traz seu filho para mostrar à multidão. Eles começam a passar o bebê, mesmo quando ele faz xixi neles. A multidão então quebra o pescoço do bebê. Mamãe ouve e tenta freneticamente correr para a frente da sala. Quando ela chega lá, ela vê que seu bebê foi horrivelmente mutilado e os fãs estão comendo ele. Mãe grita de fúria, fazendo com que a fundação da casa rache. Ela pega um pedaço de vidro e começa a esfaquear e cortar os fãs, até que seu líder a agarra e a golpeia na cabeça com um castiçal. Os fãs começam a bater brutalmente em mamãe e a arrancar suas roupas, chamando-a de puta e vadia. Ele corre para detê-los, segurando sua esposa em lágrimas. Mãe grita com E
    e que eles mataram seu bebê.
    Mamãe corre para o porão, onde encontra o tanque de óleo. Ela o quebra e deixa o óleo escorrer antes de pegar um isqueiro. Ele implora para mamãe não fazer nada, mas ela o desafia e deixa cair o isqueiro. A casa inteira pega em chamas, queimando todos na casa até as cinzas antes que tudo ao redor da casa exploda. Ele e mamãe sobrevivem, mas mamãe é terrivelmente queimada enquanto ele está ileso. Ele carrega o corpo da mãe para fora do porão. Ela pergunta a Ele quem ele é. Ele diz: “Eu sou eu e você está em casa.” Ela pergunta para onde ele a está levando e ele diz “para o começo”. Quando ela pergunta o que ele quer, ele diz que quer seu amor. Ela diz que ele pode ficar com ele. Ele cava as mãos em seu peito e puxa seu coração, fazendo com que seu corpo se desfaça em cinzas queimadas.Ele esmaga o coração em suas mãos e pedaços caem revelando um objeto de cristal como o que ele tinha antes. Ele o coloca no mesmo lugar nos restos de seu escritório enquanto ri para si mesmo. A casa mais uma vez passa de destruída para nova. Uma jovem então se forma na cama, chamando pelo marido ausente: “Bebê?”

mãe! – Cena Final (Dublado em Português)

Produção

Em 13 de outubro de 2015, a revista Variety noticiou que Darren Aronofsky estava preparando o seu próximo projeto sem título com base em um roteiro próprio, e Jennifer Lawrence estava negociando sua participação no filme. O projeto ainda não estava vinculado a nenhum estúdio, mas provavelmente iria para a New Regency sob seu acordo de preferência com Aronofsky. Em 11 de janeiro de 2016, foi anunciado que a Paramount Pictures lançaria o filme, enquanto Javier Bardem estava negociando para estrelar junto a Lawrence. Domhnall Gleeson, Michelle Pfeiffer, Ed Harris e Brian Gleeson foram adicionados ao elenco em abril de 2016.

Em 25 de maio de 2016, foi revelado que o filme iniciaria as filmagens em junho do mesmo ano em Montreal. As filmagens começaram em 13 de junho de 2016 e foram concluídas em 28 de agosto de 2016

Em 11 de outubro de 2016, foi noticiado que o compositor de A Teoria de Tudo e Arrival, Jóhann Jóhannsson, ficará a cargo da trilha sonora do filme. Este será o primeiro filme de Aronofsky sem o envolvimento do compositor Clint Mansell.

Em 27 de outubro de 2016, revelou-se que o título do filme é Mother!. Em março de 2017, foi revelado que Kristen Wiig se juntou ao elenco.

Temas e análises

Em uma entrevista com The Daily Telegraph, Jennifer Lawrence disse que o filme é uma alegoria: “Ele retrata a violação e tormento da Mãe Terra […] Eu a represento, Javier Bardem, cujo personagem é poeta, representa uma forma de Deus, um criador, Michelle Pfeiffer é Eva e Ed Harris é Adão; há Caim e Abel, interpretados pelos irmãos Domhnall e Brian Gleeson, respectivamente, e o cenário às vezes se assemelha ao Jardim do Éden”.

Em relação ao título, Darren Aronofsky disse que o ponto de exclamação “reflete o espírito do filme” e corresponde a um “ponto de exclamação” do final. O diretor discutiu a minusculização incomum do título em um evento ao Reddit, dizendo: “Para descobrir por que o ‘m’ está minúsculo, leia os créditos finais e procure a letra que não está minúscula. Pergunte-se qual é o outro nome para esse personagem? Os nomes dos personagens são todos mostrados em minúsculas, exceto ‘Ele’.”

O isqueiro que aparece durante todo o filme tem o Wendehorn, um símbolo que se acredita representar “a cooperação entre as leis eternas da natureza, as quais trabalham em sintonia umas com as outras”. Um dos elementos inexplicáveis ​​da obra é o pó amarelo o qual Mãe dissolve em um copo de água e toma. O The Daily Beast sugere é uma referência ao conto O Papel de Parede Amarelo, de Charlotte Perkins Gilman.

Cenário e personagens no contexto bíblico

A casa pode ser uma metáfora para a Terra. E, como é dito explicitamente no final, a Mãe é a casa, e portanto, a natureza. Ela está ali para cuidar daquele cosmos. E se doar, ao tentar, fracassando, limpar a bagunça dos humanos – estes carregados com interesses distintos, brigas e confusão.

Javier Barden é Deus. A figura dele é retratada por Aronofsky como vaidoso, também dito explicitamente. A ausência de criação na obra poética é a causa/consequência dele não procurar Mãe para o sexo. A partir do momento que ele consegue conceber a obra prima, logo a engravida, concebendo vida. Antes deste arco, quem povoa a casa seriam Adão e Eva, com os filhos Caim e Abel – o signo de irmão matando irmão é bem óbvio, tal qual o de Eva (Pfeiffer) sedenta pelo fruto proibido – a joia do início do filme – e rompendo-o ou então a referência à costela de Adão.
Lucas Albuquerque, do site Razão de aspecto, fez a seguinte análise: que o primeiro humano que a mãe vê (após Adão, Eva, Caim e Abel) é um negro — lembrando que o mais antigo fóssil encontrado foi na África. Há também pessoas de diferentes etnias paquerando, o que denota a mistura das populações nos continentes. No começo as pessoas respeitam um pouco mais a natureza. Ela pede para eles descerem da pia que não estava chumbada e eles não só o fazem como pedem desculpas. Em seguida, ela repete o pedido, eles saem a contragosto. Até que desobedecem por completo destruindo o local. Então, a Mãe Natureza pede para que eles sejam expulsos – o que seria o primeiro “fim do mundo” com a inundação da Arca de Noé – e a obra divina tem que ser feita do zero.

Mãe! – Cena da Pia

Deus precisa da natureza para gerar vida. E precisa de gente para idolatrá-lo, mesmo que às custas da natureza. Fica evidente que aquela destruição não foi a primeira e nem será última ocasionada por ele: “na minha infância esta casa foi destruída. E ela [Mãe] a está reconstruindo sozinha”. No final, depois da morte da personagem, que cedeu o próprio coração à ca(u)sa – como entrega o poster. Ver-se uma nova figura feminina que dá o tom cíclico a criação/destruição divina. Sozinho com a Mãe natureza, ele a engravida. Deus sente-se inspirado com a chegada de seu primeiro filho e escreve um novo poema (novas escrituras) que, assim que lançado, é aclamado pelo povo – que mais uma vez invade sua casa para o desespero da mãe natureza. No meio do caos, ela dá a luz a criança (Jesus), que após um momento de descuido da mãe, é levada por Deus para o povo. Seu único filho é morto pela humanidade (eles acabam bebendo seu sangue e comendo seu corpo – e que condiz com a crucificação do salvador) e, mesmo assim, recebem o perdão. Eventualmente, o caos é tão grande e o homem destrói tanto a casa (mundo) que só resta a mãe natureza a aniquilação de tudo – o apocalipse.

A casa ainda pode ser vista como uma metáfora para inferno, purgatório e paraíso, ao mesmo tempo. Deus quer que aquele lugar seja o paraíso, mas falha. A natureza tenta também curar qualquer mácula, e claro se consome por completo. A fila para entrar na casa e os poucos que são escolhidos também marcam a comparação. O purgatório é entendível pela associação com o julgamento que a todo instante alguém faz de outro personagem, limpeza (purificação) e indecisão/inércia dos personagens que por vezes não sabem para onde ir. O inferno visto pelo caos da guerra, atrocidades e, claro, principalmente pelos outros. A integração dos três ambientes, em um provocativo diálogo com a trindade, diz muito do propósito aqui.

Outras interpretações

Figura feminina na sociedade

Mãe! também fala sobre como a mulher é oprimida. Lawrence interpreta uma pessoa quieta, reprimida, que mal consegue se expressar e é totalmente dependente do marido. O site Omelete observou que a vida dela é como de muitas mulheres no passado: vive para servir o marido e para realizar todos os seus caprichos. Ela nunca deixa a casa, ela nunca consegue fazer nada para si e vive para servir. Quando Eva fala com ela, o único assunto que falam envolve o relacionamento com marido, sua vida sexual e a necessidade de ser mãe o mais rápido possível. Mãe é uma mulher, que sofre calada, que é tratada como capacho não apenas por seu marido, mas também pela sociedade. É uma mulher que não tem voz, pois toda vez que pede um favor, as pessoas não a ouvem, principalmente seu marido. Os fãs e até mesmo o Homem e A Mulher, respeitam e endeusam apenas Ele, enquanto Mãe, fica a ver navios. Isso é uma alusão a impotência da mulher na sociedade e o espectador se sente da mesma forma que a personagem Mãe.

A todo momento, durante o primeiro ato, o espectador é lembrado da diferença de idade do casal, pois Mãe é muito mais jovem que Ele. Mãe é muito mais nova e ingênua, porém tem muita energia. Ela é a pessoa que mais trabalha dentro da casa e mesmo assim, continua a ser negligenciada pelo marido. É a partir daqui que a ficção toma forma e nota-se que Mãe é capaz de ouvir o ‘coração’ da casa. Ela diz que seu sonho é criar um pequeno ‘Paraíso’ para ela e seu marido.

Quando a personagem Mãe, finalmente engravida, Ele pouco liga, pois seu poema virou um sucesso mundial e agora ele tem fãs por todo mundo. Logo no primeiro encontro da Mãe com a Mulher, percebe-se como a sociedade impõe a maternidade para as mães. No final, há uma cena fortíssima de linchamento, alguns dias após o parto. A criança é tratada como um objeto de consumo para os ‘fiéis’, enquanto a mãe é apedrejada, leva chutes e socos, ouvindo palavras como ‘Vadia! Piranha, sua vaca! Você está morta! Batam nessa doida! Sua rapariga! Batam nessa porca!”. Isso representa o tratamento que a sociedade dá à todas as mulheres, principalmente aquelas que acabaram de dar a luz. A partir do momento em que o bebê nasce, a Mãe passa a ser tratada como escória.

Religião

Ainda segundo o site, a editora, personagem da Kristen Wiig, pode ser encarada como a igreja, que está mais interessada na repercussão na mídia e em vender livros do que na mensagem. Além de matar quem se coloca no caminho dela. Houve também publicações de que o filme foi uma enorme crítica a instituição religiosa e até mesmo ao próprio Deus, representado como um “homem cruel”, que pouco se importa com a Terra (sua esposa), mas que almeja ser adorado, ter mais fiéis e receber mais presentes e que de certa forma, possui personalidade, assim como os Deuses Gregos. Os fãs (fiéis), passam da fase de admiração para a fase de adoração em questão de segundos e logo depois, vemos fiéis distorcendo as palavras do poema e brigando entre si. Isso é uma alegoria para a separação da sociedade por religiões. Ver-se pessoas na cena se matando, por causa de suas interpretações diferentes das palavras do poema.

Lançamento

O filme foi originalmente programado para ser lançado em 13 de outubro de 2017, mas foi antecipado para 15 de setembro de 2017.

O longa teve sua estreia mundial no 74º Festival Internacional de Cinema de Veneza, onde foi selecionado para competir pelo Leão de Ouro. Sua pré estreia norte-americana deu-se no Festival Internacional de Cinema de Toronto de 2017. Estreou em Londres em 6 de setembro de 2017.

Em 7 de agosto de 2017, o primeiro trailer oficial do filme foi lançado.

Mídia doméstica

Mother! foi lançado digitalmente em 5 de dezembro de 2017 e lançado em Blu-ray e DVD em 19 de dezembro.

Recepção

Bilheteria

Mother! arrecadou US $ 17,8 milhões nos Estados Unidos e Canadá e US $ 26,7 milhões em outros territórios, num total mundial de US $ 44,5 milhões, contra um orçamento de produção de US $ 30 milhões.

Na América do Norte, o filme foi lançado ao lado de American Assassin e foi projetado para arrecadar US $ 12-14 milhões de 2.368 cinemas em seu primeiro fim de semana. Ganhou US $ 700.000 com as visualizações da noite de quinta-feira e US $ 3,1 milhões em seu primeiro dia. Ele passou a abrir apenas US $ 7,5 milhões, terminando em terceiro nas bilheterias e marcando a pior estréia de Lawrence em um filme em que ela teve o melhor desempenho. A revista Prazo Hollywood atribuiu o fraco desempenho do filme à sua narrativa controversa, propagandas enganosas e ao grau “F” do CinemaScore. é um dos únicos 19 filmes a receber essa classificação. Em seu segundo final de semana, o filme caiu 56,3%, para US $ 3,3 milhões, terminando em sexto nas bilheterias.

Resposta crítica

Mother! recebeu avaliações positivas dos críticos em geral, que elogiaram a direção de Aronofsky e as atuações, particularmente as de Lawrence e Pfeiffer. No agregador Rotten Tomatoes, a obra possui uma aprovação de 68%, com base em 279 avaliações e uma nota média de 6.8/10. O consenso crítico do site diz: “Não há como negar que Mother! é o produto provocador de uma visão artística singularmente ambiciosa, embora possa ser muito difícil de se agradar os gostos mais comuns”. No Metacritic, tem uma pontuação média ponderada de 74 em 100, com base 48 avaliações críticas, indicando “opiniões geralmente favoráveis”. O filme recebeu vaias e aplausos com ovação de pé durante sua estreia no Festival de Cinema de Veneza. A audiência pesquisada pelo CinemaScore deu ao filme uma nota média de “F” em uma escala A+ a F, tornando-se um dos poucos vinte filmes para receber tal pontuação.

Rex Reed, dando ao filme 0 estrelas para o The Observer, escreveu que, apesar de uma boa cinematografia, “Nada sobre mother! Faz um pingo de sentido quando a visão torrencial louca de Darren Aronofsky se torna mais hilária do que assustadora. Muita porcaria para entupir o dreno, hesito em rotular de o ‘Pior filme do ano’, quando ‘Pior filme do século’ se encaixa ainda melhor”. Reed rejeitou as críticas positivas de outros críticos sobre como o filme é “igualmente pretensioso” e “até mais louco do que o filme em si … Todos insistem que mother! é uma metáfora para algo, embora não tenham certeza do que é”.

O cineasta Martin Scorsese saiu em defesa do filme e de Darren Aronofsky em um artigo assinado por ele para o The Hollywood Reporter. Na publicação, fez duras críticas aos sites Rotten Tomatoes e Cinemascore, alegando que ambos são um desserviço como termômetros cinematográficos, não possuindo qualquer base empírica sobre a técnica na produção de filmes e a história do cinema. Um dos aspectos mais criticados do Cinemascore foi a metodologia de avaliação da produção, que recebeu a pior nota no portal. De acordo com Scorsese, a avaliação provém de um desejo inflamado de algumas audiências em prejudicar um filme, simplesmente pelo fato de ele não conter uma narrativa simplista e padrão.

  • Muitos parecem se divertir com o fato de Mãe! ter recebido uma nota F do Cinemascore. Isso acabou se tornando uma matéria. O filme foi esculachado pela pavorosa classificação F, uma distinção terrível compartilhada com produções dirigidas por Robert Altman, Jane Campion, William Friedkin e Steven Soderbergh. Depois que tive a oportunidade de assistir Mãe!, eu fiquei ainda mais horrorizado por essa pressa em fazer julgamentos. As pessoas parecem estar atrás de sangue, simplesmente porque não pôde ser facilmente definido ou interpretado ou reduzido para uma descrição de duas palavras. É um filme de terror ou uma comédia sombria ou uma alegoria bíblica ou uma fábula admonitória sobre moral e a devastação do meio ambiente? Talvez um pouco de tudo isso, mas certamente não apenas uma dessas nítidas categorias. É uma obra que precisa ser explicada? Que tal a experiência de assistir Mãe!? Foi tão tangível, tão lindamente encenado, com uma câmera subjetiva e o ponto de vista através de ângulos reversos, sempre em movimento…o design de som, que vem ao público pelas extremidades e te profundamente para dentro do pesadelo…o desdobrar da trama, que gradativamente se torna cada vez mais inquietante à medida que o filme caminha adiante. O horror, a comédia sombria, os elementos bíblicos, a fábula admonitória. Está tudo lá, mas eles são aspectos que formam uma experiência total, que engolfa os personagens e a audiência com eles. Apenas um cineasta realmente apaixonado poderia ter feito este filme, o qual eu ainda estou experienciando mesmo após semanas desde que o assisti.
    — Scorsese

Quanto ao Rotten Tomatoes, o cineasta chamou até o título do portal de ofensivo, pontuando que o trabalho desenvolvido nada tem a ver com o trabalho de um crítico genuíno: “Rotten Tomatoes não tem nada a ver com o verdadeiro trabalho de crítica. Eles avaliam um filme do mesmo jeito que você avalia um cavalo na pista de corrida ou um restaurante no guia Zagat ou um eletrodoméstico no Consumers Report. Eles tem tudo a ver com o ramo dos cinemas e absolutamente nada a ver com a criação ou a perspectiva inteligente de assistir um filme. O cineasta é reduzido a um fabricante de conteúdo e o espectador a um consumidor nada aventureiro”. Scorsese fortaleceu seu argumento, salientando que sites como o Cinemascore e Rotten Tomatoes comprometem o minucioso trabalho de cineastas: “Essas ’empresas’ e agregadores estabeleceram um tom hostil para cineastas sérios e até mesmo o nome Rotten Tomatoes é ofensivo. E à medida as críticas de filmes feitas por pessoas engajadas e realmente apaixonadas com conhecimento genuíno da história do cinema acabam perdendo espaço, me parece que há cada um número cada vez maior de vozes mundo afora dispostas a fazer o puro julgamento sem propriedade, pessoas que parecem ter prazer em ver filmes e diretores sendo rejeitados, ignorados e em alguns casos, até mesmo destruídos completamente. Nada diferente do desespero crescente e da sede por sangue daquela multidão do final do filme”.

Explicando o final do filme ‘Mãe!’ [TEORIAS] [SPOILERS]

 

Prêmios e indicações

  • Prêmio
    Camerimage
  • Categoria
    Golden Frog
  • Indicado(a)
    Matthew Libatique
  • Resultado
    Indicado
  • Prêmio
    Houston Film Critics Society
  • Categoria
    Melhor Desenho de Cartaz
  • Indicado(a)
    Mother!
  • Resultado
    Indicado
  • Prêmio
    Miskloc International Film Festival
  • Categoria
    MelhormFilme
  • Indicado(a)
    Darren Aronofsky
  • Resultado
    Indicado
  • Prêmio
    New Mexico Film Critics
  • Categoria
    Melhor Atriz
  • Indicado(a)
    Jennifer Lawrence
  • Resultado
    Venceu
  • Prêmio
    North Texas Film Critics Association
  • Categoria
    Melhor Atriz
  • Indicado(a)
    Jennifer Lawrence
  • Resultado
    indicado
  • Prêmio
    Online Film Critics Society
  • Categoria
    Melhor Filme
  • Indicado(a)
    Mother!
  • Resultado
    Indicado
  • Prêmio
    Phoenix Critics Circle
  • Categoria
    Melhor Filme de Mistério ou suspense
  • Indicado(a)
    Mother!
  • Resultado
    Indicado
  • Prêmio
    Festival de Veneza
  • Categoria
    Leão de Ouro
  • Indicado(a)
    Mother!
  • Resultado
    Indicado
  • Prêmio
    Framboesa de Ouro
  • Categoria
    Pior Atriz
    Pior Ator Coadjuvante
    Pior Diretor
  • Indicado(a)
    Mother!
    Jennifer Lawrence
    Javier Bardem
    Darren Aronofsky
  • Resultado
    Indicado

Fotos

Mãe
Mãe! estrelado Jennifer Lawrence
cena mãe
mae!
cena do bastidor
bastidores
uma das cenas do filme
cena do filme
image mãe
imagem filme mãe
javier barden
Javier Bardem ´o ator mais desejado do cinema
Javier Barden snaps
Javier Barden Snaps in new Mother!
Javir Barden cena
Javier Barden
cena do filme
Javier-Bardem uma das cenas
Javier e Jannifer
Javier-Bardem-e-Jannifer-Lawrence-em-cena-de-Mãe
jennifer atriz da mãe
Jennifer Lawrence interpreta mãe!
Jennifer Lawrence
jennifer lawrence é Mãe!
mãe com Jennifer Lawrence
Jennifer Lawrence em Mãe!
REeenha de Mãe!
Mae resenha
bastidor filme mãe
mãe com diretor Aronofsky
mother!
mother critica
mother cena filme
Mother esta sendo contado pela primeira vez
teaser novo mother
Mother teaser do novo filme
cenas do filme mother
mother-movie-trailer-aronofksy
cena do parto
parto mother!
o apocalipse de mãe!
o apocalipse por lapidar de Aronofsky

 

Referências: WikipediaImdb e pesquisa do site Imagoi